You are currently viewing Entenda o impacto da apneia obstrutiva no sono na saúde cardiovascular

A apneia obstrutiva do sono é o distúrbio respiratório relacionado ao sono mais comum. Muitas pessoas acham que quem sofre dessa condição está apenas roncando, mas às consequências ao organismo, e à saúde cardiovascular, são bastante sérias.

A apneia obstrutiva do sono acontece quando os músculos da garganta relaxam intermitentemente e bloqueiam as vias respiratórias durante o sono. 

É por isso que um sinal perceptível é o ronco. Mas além do som, ela faz a pessoa absorver menos oxigênio, já que sua respiração será bloqueada.

Para entender mais sobre o impacto que esse distúrbio causa ao organismo e também à saúde cardiovascular, confira o artigo abaixo!

O ronco como sinal

O ronco não indica necessariamente algo potencialmente sério, e nem todo mundo que ronca tem apneia obstrutiva do sono.

Porém, ele é um indicativo bastante forte para a condição. Aliada ao ronco, outros sintomas são:

  • Sonolência diurna excessiva
  • Episódios observados de parada respiratória durante o sono
  • Despertares abruptos acompanhados de respiração ofegante ou sufocação
  • Despertar com boca seca ou dor de garganta
  • Dor de cabeça matinal
  • Dificuldade de concentração durante o dia
  • Mudanças de humor, como depressão ou irritabilidade
  • Pressão alta
  • Libido diminuída

Leia também::: O que fazer para prevenir as doenças do coração?

Causas da apneia obstrutiva do sono

A apneia obstrutiva do sono ocorre quando os músculos da parte posterior da garganta relaxam demais para permitir a respiração normal. 

Esses músculos suportam estruturas incluindo a parte posterior do céu da boca (palato mole), o pedaço triangular de tecido pendurado no palato mole (úvula), as amígdalas e a língua.

Quando os músculos relaxam, suas vias aéreas se estreitam ou fecham conforme você inspira, dificultando sua respiração por 10 segundos ou mais. 

Isso pode diminuir o nível de oxigênio no sangue e causar um acúmulo de dióxido de carbono.

Seu cérebro percebe essa respiração prejudicada e o desperta brevemente do sono para que você possa reabrir suas vias respiratórias. Esse despertar geralmente é tão breve que você não se lembra dele.

Esse padrão pode se repetir de cinco a 30 vezes ou mais a cada hora, durante toda a noite. Essas interrupções prejudicam sua capacidade de atingir as fases profundas e repousantes do sono, e você provavelmente vai se sentir sonolento durante o dia.

Pessoas com apneia obstrutiva do sono podem não estar cientes da interrupção do sono. Muitas pessoas com este tipo de apneia do sono não percebem que não dormiram bem a noite toda.

Como afeta o sistema cardiovascular?

Quedas repentinas nos níveis de oxigênio no sangue que ocorrem durante a apneia obstrutiva do sono aumentam a pressão arterial e sobrecarregam o sistema cardiovascular. 

Muitas pessoas com esse distúrbio desenvolvem hipertensão arterial, o que pode aumentar o risco de doenças cardíacas.

Quanto mais grave a apneia obstrutiva do sono, maior o risco de doença arterial coronariana, infarto, insuficiência cardíaca e derrames.

A apneia obstrutiva do sono aumenta o risco de ritmos cardíacos anormais (arritmias), que podem baixar a pressão arterial. 

Se houver doença cardíaca subjacente, esses episódios múltiplos repetidos de arritmias podem levar à morte súbita.

Leia também::: Qual é o papel da melatonina na saúde cardiovascular?

Como é o diagnóstico?

A gravidade da apneia obstrutiva do sono é, em geral, descrita pelo índice de apneia-hipopneia, que é o número de apneias obstrutivas mais hipopneias por hora de sono. 

O diagnóstico pode ser feito por meio da polissonografia, que, em geral, envolve a monitorização durante toda a noite em um laboratório do sono através de eletroencefalografia, eletrocardiograma, avaliação dos movimentos dos olhos durante o sono, eletroneuromiografia de membros inferiores e medidas de SaO2 e dióxido de carbono.

Com base nos resultados, pode ter início o tratamento. Ele pode ser feito com a utilização de uma placa ou o CPAP nasal, que é um aparelho colocado nas narinas para auxiliar na respiração noturna.

A mudança no estilo de vida, com a redução do peso corporal, também é muito importante. Afinal, a apneia obstrutiva do sono tem maior prevalência em pessoas que estão acima do peso.

Evitar o álcool, parar de fumar, e dormir de lado também são atitudes que podem reduzir os sintomas desse distúrbio.

Portanto, se você ronca muito, procure um médico. Você pode estar com apneia obstrutiva do sono! Espero que tenha gostado do artigo e, para mais dicas e informações sobre saúde cardiovascular, siga meu canal no Youtube!